Aproximadamente 30 empresas deverão ser capacitadas para atuar junto ao Grupo

Para estimular a cooperação entre empresas e alianças estratégicas, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Goiás, em parceria com o Grupo Votorantim, desenvolveu o Projeto de Encadeamento Produtivo da Votorantim. O Projeto, com início previsto para outubro, será realizado em duas etapas, com ações especificas ao atendimento e às prioridades do projeto, utilizando a mensuração por indicadores de 30 empresas de cinco municípios goianos. O objetivo é capacitar micro e pequenas empresas (MPEs) para atuarem como fornecedores da companhia.

Segundo a analista do Sebrae Goiás, Giovana Santos, o projeto visa desenvolver e aprimorar a competência dos pequenos negócios e certificar fornecedores qualificados do Grupo Votorantim.  "O sucesso de uma MPE depende de o empreendedor saber como está sua empresa e também saber a tempo de poder tomar decisões para corrigir eventuais problemas. O projeto indica os resultados da empresa, além de impulsionar a competitividade e a inovação das empresas de pequeno porte, a partir da orientação para a necessidade de padrões técnicos e de qualidade definidos pela empresa líder da cadeia de valor".

O projeto, que tem perspectiva de se estender até março 2018, irá qualificar 30 empresas, dentre elas fornecedores e potenciais fornecedores da empresa Âncora Votorantim Cimentos e Fábrica Edealina/GO, dos municípios de Edealina, Edeia, Indiara Cezarina, Pontalina e Goiânia. “É a primeira vez que o Sebrae Goiás desenvolve, em parceria com a Votorantim, projeto para atendimento da Fabrica Edealina/GO. O Programa estreita o relacionamento entre grandes empresas e pequenos negócios, de modo que a microempresa identifique sua capacidade e valor”, destaca a analista.

Projeto prepara fornecedores de excelência com base em indicadores

Giovana Santos destaca que um dos destaques do Programa é utilizar a metodologia de Gestão por Indicadores, que estimula a melhoria contínua dos participantes. Assim, de forma autônoma, eles se tornam capazes de atuar como fornecedores de outras grandes empresas. “O principal resultado do projeto é a implantação da gestão por indicadores junto aos fornecedores e potenciais fornecedores, aumentando a qualidade de gestão de seus processos, com reflexo na qualidade de seus produtos e serviços e, na rentabilidade do negócio. Um dos indicadores é o grau de dependência, assim, as microempresas são motivadas a atender qualquer empresa regional ou local", explica Giovana.

Ainda de acordo com a analista, são 10 os principais indicadores do projeto, dentre eles entregas no prazo, produtos/serviços não conformes, variação do faturamento, lucratividade operacional, margem de contribuição, ponto de equilíbrio, valor adicionado, dependência comercial, eficiência comercial, número de postos de trabalho, e grau de dedicação das empresas ao programa. Ela explica que o projeto foi desenvolvido em duas etapas, com mensurações dos indicadores, iniciando pela sensibilização dos empresários para adesão ao programa de encadeamento produtivo.

Após a fase de prospecção, é realizada a aplicação de diagnóstico MPE, para elaboração do radar de competitividade do grupo e individual. E por fim, ações corretivas e preventivas serão aplicadas através de consultorias específicas, relacionadas a temas de gestão, marketing, finanças, negociação, vendas, tributação, qualidade, entre outras. "O intuito será preparar os potenciais fornecedores para serem competitivos ao mercado, de forma a ampliar vendas. Aos que já são fornecedores será realizado um trabalho de fortalecimento em gestão, com vistas a ampliar vendas para a âncora", finaliza a analista.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias (ASN), por Rhaissa Silva

Recomende este artigo
VOLTAR PARA NOTÍCIAS

Seja o primeiro a comentar

Resposta enviada. Aguardando aprovação.

500

Enviar comentário