Destacando o aspecto multiuso da Arena Pantanal, que já recebe a Arena Educação

 

Imagine um espaço reservado especialmente para aquele cidadão que tem vontade de montar o próprio negócio e não sabe por onde começar. Neste local ele recebe treinamento, um ambiente para desenvolver as ideias e ainda conta com linha especial de crédito. Este espaço se tornou realidade nesta sexta-feira (21.07), com os lançamentos da Arena +, voltada para a promoção da ciência, tecnologia e inovação, e do Programa de Pré-Aceleração de Negócios Criativos (Ideação), no terceiro piso da Arena Pantanal, em Cuiabá. 


Destacando o aspecto multiuso da Arena Pantanal, que já recebe a Arena Educação, o terceiro piso vai ficar reservado por cinco meses ao desenvolvimento de dois projetos. O primeiro é um embrião do Parque Tecnológico, da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec). O segundo é o Centro de Economia Criativa, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC). Ambos envolvem múltiplas secretarias e propostas inovadoras.


“Estamos criando um Centro de Economia Criativa para que o cidadão possa ter condições de tirar a ideia do papel, para que o empreendedorismo seja valorizado em todas as áreas. Nesta proposta, temos uma relação horizontal entre várias secretarias. As Secretarias de Cultura, de Desenvolvimento Econômico (Sedec), de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), Secitec, MT Par, Desenvolve MT estão conosco, além do Sebrae e os empreendedores, que são os mais importantes”.


Taques quer aproveitar o espaço para transformar ideias em emprego e renda. “Projetos como este têm a finalidade de unir pessoas, conectar, para que as ideias possam sair do papel. Vivemos num momento de interconexão. O Desenvolve MT estará presente neste projeto para que possa ajudar com financiamento. A Secitec vai promover as startups, as incubadoras, e a Secretaria de Cultura vai ficar aqui até a inauguração do Centro de Economia Criativa, no Grande Hotel, na região central de Cuiabá”, detalha o governador. 


Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Domingos Sávio, enfatiza que o espaço na Arena é um embrião do Parque Tecnológico. “São ações que o Governo faz em paralelo à construção do parque, uma vez que nós já fizemos toda a modificação do Parque Tecnológico num espaço de aproximadamente 3 mil metros quadrados, onde teremos as startups, aceleradoras de pequenas e microempresas”.


Ele destacou também que o Governo do Estado está investindo na descoberta de novos talentos, por meio de programas como Células Empreendedoras e Instituto Jovem Empreendedor. “É por meio da popularização da ciência, tecnologia e inovação nas bases, sendo elas universidades, nas escolas públicas de ensino, que nós estamos buscando descobrir talentos, novas ideias e trazê-las para este espaço”. Segundo ele, quando o Parque Tecnológico estiver pronto, já haverá uma gama de empreendedores e de microempresas prontos para ocuparem o espaço.


O projeto do Parque Tecnológico, conforme o secretário, está 100% pronto, aguardando apenas questões técnicas para o lançamento do processo licitatório. “Acredito que, no máximo até setembro, o governador dá a ordem de serviço, com previsão de inauguração em 12 meses”. 


Economia Criativa


Envolvido diretamente na empreitada da Arena +, o secretário de Estado de Cultura, maestro Leandro de Carvalho, ressaltou a necessidade de um outro olhar para o setor, diferente daquele que só promove eventos artísticos. “Estou falando de designer, de moda, de gastronomia, de negócios digitais desde os aplicativos até programas de software”.


Segundo ele, o programa de Economia Criativa foi ampliado na gestão Pedro Taques. “Este programa nasceu nesta administração de forma integrada - já existia no âmbito da Cultura apenas, mas foi ampliado nesta gestão e passou a ser um programa multisetorial”.


Leandro Carvalho frisou os benefícios do projeto para os pequenos empresários. “Para aquele microempreendedor que está começando um negócio e precisa de um conjunto de suporte para fazer com que este negócio aconteça, desde um crédito com juros atrativos até uma base de instalação, será muito viável. Com o apoio do Sebrae, vai começar a capacitação para 30 empreendimentos, durante 5 meses, de aceleração de negócios”. 


O secretário ainda salientou a importante participação econômica da área cultural na economia. “É um setor que hoje representa 3% do PIB (Produto Interno Bruto), e gera mais emprego que a indústria automobilística ou a indústria farmacêutica. Então, a cultura é uma área da economia que também gera trabalho e renda e precisa estar inserida nas políticas públicas”.  


O Arena + engloba um coworking, duas salas de reunião e treinamento, uma copa, banheiros e estacionamento. Coworking é uma nova forma de pensar o ambiente de trabalho, que segue as tendências do freelancing e das startups.

 

Fonte: Folha Max

Recomende este artigo
VOLTAR PARA NOTÍCIAS

Seja o primeiro a comentar

Resposta enviada. Aguardando aprovação.

500

Enviar comentário